ACOMPANHAR UM PRODUTO, DESDE A SUA PRODUÇÃO ATÉ À CHEGADA AO CONSUMIDOR, É O PRINCIPAL OBJETIVO DA RASTREABILIDADE DOS ALIMENTOS

A indústria e o processamento de alimentos e bebidas enfrentam vários desafios, como por exemplo os requisitos de segurança do produto (alimento), as necessidades dos clientes e a constante mudança nos requisitos de stock. A fim de enfrentar esses desafios, muitos fabricantes usam ferramentas de rastreamento.

Capaz de rastrear ingredientes, materiais e produtos, essas ferramentas oferecem uma gama de possibilidades, benefícios e vantagens competitivas.

Produtores na indústria de alimentos e bebidas confiavam tradicionalmente nos métodos de registo de dados, a fim de obter uma estimativa dos locais de rastreamento dos produtos e ingredientes. Atualmente, os sistemas automatizados oferecem aos fabricantes uma vantagem significativa, para que tenham acesso a informações mais confiáveis e em tempo real. Esta tecnologia permite não só que os fabricantes cumpram os requisitos legais ou as exigências regulamentares, mas também que possam responder de forma mais eficaz na recolha de “produtos com problemas” do mercado. Além de oferecer um retorno do investimento, este sistema ajuda ainda a aumentar o valor da marca.

O QUE É A RASTREABILIDADE DE ALIMENTOS?

A rastreabilidade de alimentos abrange toda a cadeia de abastecimento, do produtor ao supermercado. Possibilita a redução da produção e distribuição de produtos não apropriados e/ou de qualidade insatisfatória, diminuindo assim a hipótese de existir publicidade negativa e a remoção de um produto inseguro ou ilegal na posse do consumidor.

Este sistema dá a possibilidade de rastrear produtos que serão utilizados para alimentação em todos os seus estágios de fabrico produção, processamento e consumo. Isso permite que o consumidor conheça as origens dos alimentos que consome e possa assim identificar os possíveis perigos à saúde pelos quais foram expostos, assim como valores utilizados na produção – o que é importante em produtos para consumidores com restrições nutricionais, éticas ou religiosas – e atribuir, por fim, o valor do produto final.

A rastreabilidade de alimentos pode ser um dispositivo para que a indústria demonstre os atributos dos seus produtos. Disponibilizar ao consumidor este tipo de informação pode ser fundamental no momento da compra.

Um estudo recente revela que os hábitos de compra dos consumidores são influenciados por fatores que vão além de preço e conveniência. Questões como a garantia de origem e a segurança pesam na escolha dos consumidores e o rótulo informativo pode ser determinante no ato da compra.

COMO SURGIU?

A rastreabilidade de alimentos surgiu devido à necessidade de saber a localização de determinado produto na cadeia logística. Este conceito representa a capacidade de recuperação do histórico ou da localização de um produto, através da impressão de números de identificação.

Isto é importante porque as empresas e autoridades em vários mercados globais têm interesse em estabelecer sistemas para monitorar e rastrear os produtos nos diferentes pontos da cadeia de abastecimento.

PORQUÊ RASTREAR?

Existem dois aspetos básicos que impulsionam a rastreabilidade: o cumprimento da legislação e a inovação.

As regulamentações legais para a segurança dos alimentos têm evoluído para um melhor controlo sobre os potenciais riscos para a saúde da população. A rastreabilidade permite identificar os processos e o caminho do alimento, permitindo agilidade e assertividade para ações de correção.

A inovação é o outro aspeto associado à rastreabilidade, pois possibilita à cadeia de abastecimento partilhar a história do alimento, cedendo, caso deseje, informações como por exemplo:

• A origem e o trajeto percorrido pelo alimento;

• As características nutricionais;

• Informações acerca da produção;

• Informações de armazenamento;

• Certificações e selos de qualidade;

A rastreabilidade permite conectar a cadeia produtiva de alimentos, do campo à mesa, permitindo a comunicação entre os elos, como avaliações e comentários feitos pelo consumidor final, através de aplicações para a leitura do código de rastreamento do produto.

Os registos ordenados e estruturados provenientes dos processos controlados pela rastreabilidade de alimentos apoiam a gestão dos negócios e trazem transparência para os indicadores de sucesso.

PRINCIPAIS VANTAGENS COMPETITIVAS:

1- Relacionamento com fornecedores: A rastreabilidade é um aspeto considerado relevante para a qualificação do produto e serviço.

2- Gestão de stock e oferta: Maior agilidade nos processos de envio e recolha dos produtos e no controlo dos preços de compra e venda.

3- Padrões de identificação: Adaptação aos padrões mundiais de identificação e especificações dos supermercados.

4- Valor agregado ao produto: Diferenciação com informação sobre a origem do produto.

5- Segurança e qualidade do alimento: Informações referentes à origem e produção do alimento, contribuindo para os ajustes dos processos de produção e controlo de qualidade.

6- Ligação com o consumidor final: Avaliação e comentários sobre o produto feitos pelo consumidor final.

COMO FUNCIONA?

A rastreabilidade permite o registo das informações relativas às origens e destinos dos produtos através de um código de rastreabilidade único para cada lote comercializado. Este código acompanha o alimento durante toda a cadeia de abastecimento, podendo ser consultado, a qualquer momento, por todos os envolvidos no processo.

Utilizar um sistema de rastreabilidade é uma ferramenta interessante para a sua empresa, pois garante o controlo total sobre a complexidade de informações e dados na operação do seu negócio, independente do tamanho e do volume comercializado.

Um processo de rastreabilidade, realizado da forma correta, obedecendo a todos os requisitos, é a aposta certa para que o seu negócio consiga melhores resultados.

EXEMPLOS PRÁTICOS DE RASTREABILIDADE

Numa adega

Uma adega definiu como um dos seus objetivos implementar um projeto de controlo de qualidade, desde o pé da vinha até à garrafa, garantindo a rastreabilidade dos produtos ao longo de todo o processo produtivo. Para alcançar este objetivo investiu:

• Em ferramentas informáticas de hardware (ligando todos os pontos da adega) e de softwares informáticos integrados entre si (sistema de informação geográfica, software de gestão da adega e software de gestão comercial);

• Em equipamentos topo de gama para a análise das uvas e vinhos;

• Na implementação da análise das uvas ao longo da maturação até à vindima, com o intuito de analisar e avaliar objetivamente a qualidade das uvas, promovendo a separação da matéria-prima e maior controlo da vinificação, de forma a aumentar a qualidade dos produtos obtidos;

• Na implementação do controlo de qualidade de “secos” (análise das rolhas, garrafas, cápsulas, rótulos, qualidade do engarrafamento) para satisfazer as expectativas dos clientes e garantir a qualidade e segurança dos seus produtos.

Numa casa agrícola

Dado que este tipo de empresa vende vários produtos, como por exemplo frangos e rações/farinhas de vários tipos, a rastreabilidade poderia ser aplicada em qualquer um destes produtos.
Quanto aos frangos, a rastreabilidade pode ser feita através da verificação da farinha com que foi alimentado, das condições em que foi transportado, que vacinas e medicamentos recebeu, qual a origem do lote de ovos, onde foi incubado e quais os antecedentes familiares.

A rastreabilidade seria feita por códigos: uma letra para o nome da espécie, outra para a categoria, outra para o lote, outra para o tipo de tratamento que recebeu (se recebeu), etc.

Quanto às farinhas para esses mesmos frangos, a rastreabilidade passa pela qualidade e tipo de embalagem, transporte, armazenamento do produto já moído, o tipo de moagem/tipo de moinho, armazenamento do produto antes de ser moído e qual o tipo de tratamento que a semente recebeu nos campos.

Este tipo de tecnologia permite assim cumprir com os requisitos de segurança do produto e manter a qualidade ao longo de toda a cadeia de produção e distribuição. Além disso, investir na rastreabilidade é sinónimo de apostar no relacionamento com o consumidor, pois é um aspeto primordial para conquistar a confiança do mercado. O consumidor tem ainda acesso à informação precisa sobre a origem dos produtos e proteção da saúde pública.

Fonte: IMR

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

29Jan 2019

A rastreabilidade permite o registo das informações relativas às origens e destinos dos produtos através de um código de rastreabilidade único para cada lote comercializado. Este código acompanha o alimento durante toda a cadeia de abastecimento, podendo ser consultado, a qualquer momento, por todos os envolvidos no processo.